Placenta prévia

Placenta prévia

Ao falar sobre Placenta Prévia, muitas gestantes já entram em desespero. Mas você sabe o motivo de tanto medo desse diagnóstico?

A chamada placenta prévia, é a implantação da placenta na parte mais baixa da cavidade uterina, cobrindo o colo do útero, ou mesmo se posicionando próxima a ele. Essa situação acontece com 3 a 6 mulheres em um grupo de 1000 gestantes.

Geralmente, a placenta está mais baixa no início da gravidez, mas com o passar das semanas, ela tende a se movimentar para cima até a sua posição final, que deve ser na parte mais alta do útero, de modo que o colo do útero tenha um caminho livre para o parto. Mas se a placenta está muito próxima ao colo uterino, sendo apoiada totalmente ou parcialmente sobre ele, acontece o que chamamos de placenta prévia ou placenta baixa. E o risco dessa condição é uma hemorragia grave antes ou durante o parto.

Existem 4 tipos de placenta prévia e cada uma possui um tipo de tratamento ideal, sendo que em alguns casos a cesária é a única forma de parto.

Placenta prévia parcial: A placenta cobre parcialmente o orifício do colo do útero. Nesse caso, pode ser que o parto vaginal ainda seja possível, mas depende do quanto a placenta está cobrindo a abertura uterina. E o risco de grandes sangramentos é latente.

Placenta baixa: Este tipo começa no início da gravidez, com a placenta posicionada mais abaixo do que o normal. No entanto, o canal não fica obstruído, havendo ainda a possibilidade de parto vaginal.

Placenta prévia marginal: Esse caso acontece quando a parte inferior da placenta encosta nas margens do colo uterino. Sendo que qualquer sobreposição durante o parto pode causar pequenos sangramentos, mas ainda assim os partos vaginais costumam ser normalmente seguros.

Placenta prévia completa: Este é o tipo mais grave, com a placenta cobrindo totalmente o colo do útero. Nesse caso, a cesárea é o único parto indicado e ainda assim há risco do bebê nascer de forma prematura.

Mesmo não tendo uma causa exata da placenta prévia, há estudos que confirmam um aumento de casos em mulheres…

  • … que possuem cicatrizes de cirurgias prévias no útero;
  • … com gestações gemelares;
  • … que tem 35 anos ou mais;
  • … com histórico de placenta prévia;
  • … fumantes.

E apesar de, na maioria dos casos, não haver nenhum sintoma para o problema, fique atenta aos sinais de cólicas e sangramentos em geral. 

 

O diagnóstico é feito no segundo trimestre da gestação através de ultrassonografia de rotina ou investigativa (após o relato de sangramento), e infelizmente não há como se prevenir. No entanto, é possível monitorar a movimentação da placenta através dos exames de rotina do pré-natal para que o risco de hemorragia seja minimizado.

Por isso não deixe de fazer suas consultas e exames de pré-natal e avisar ao seu médico sobre sangramentos.

 

Gostou dessas informações? Que tal permanecer conosco e ler um pouco mais? Temos outros posts bem interessantes sobre assuntos que são dúvidas comuns no nosso blog.

 

Além de continuar aqui nos acompanhando, se inscreva em nossa newsletter e receba nossas novidades diretamente no seu e-mail. Além disso, compartilhamos conteúdos e informações super úteis nas nossas redes sociais. Você já nos segue por lá?

Acesse agora nosso Instagram e o nosso Facebook e curta nossas páginas.

Dra. Clara Antunes

Além de ginecologista, obstetra, ultrassonografista, também é Fetóloga, estando habilitada a fazer procedimentos diagnósticos no ambiente fetal, guiados por métodos de imagem.

Compartilhar é se importar!

Compartilhe este conteúdo com quem você acredita que ele pode ser útil. 

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Gostou desse conteúdo?

Aqui separamos um outro post que talvez seja interessante para você.

Quer receber diretamente no seu email? Cadastre-se abaixo na nossa newsletter!

Clinica Nattus

Rua Engenheiro Enaldo Cravo Peixoto, Nº 105 – Sl. 613 / Tijuca – Rio de Janeiro

Siga-nos nas Redes Sociais:

Desenvolvido por: GLUE DESIGN STUDIO