Trombofilia na gestação

Trombofilia na gestação
Trombofilia é um grande problema para todo mundo e quando está associada à gestação, isso a torna um pouco mais preocupante. Mas será que eu tenho mais risco de desenvolver trombofilia na gestação?
 
Embora seja uma doença muito falada, as pessoas possuem pouca informação sobre o assunto,gerando muitas dúvidas e desinformação.
 
Em linhas gerais, uma gestante possui de cinco a seis vezes mais chances de desenvolver trombofilia do que mulheres não grávidas.
 
Mas afinal de contas, o que é trombofilia?
A trombofilia não é uma doença em si, mas uma condição que atua na desregulação das nossas enzimas responsáveis pela coagulação, o que leva a ocorrência de eventos trombóticos. 
As trombofilias podem ser de dois tipos: hereditárias ou adquiridas.
Hereditárias quando temos um fator genético em nosso DNA. Já as adquiridas têm relação com algum gatilho do ambiente. E os principais gatilhos são:
  1. Gravidez e todas as alterações hormonais decorrentes dessa situação.
  2. Uso de pílulas contraceptivas combinadas, os contraceptivos hormonais.
  3. Cirurgias prolongadas
  4. Período pós operatório
  5. Longos períodos de imobilização
A boa notícia, entretanto, é que as trombofilias são condições raras, e por isso, não investigamos rotineiramente em gestantes e tentantes.
As indicações dessa investigação se reservam para as pacientes que já tiveram histórico de trombose ou de algum evento trombótico em gestações prévias, como por exemplo, abortamentos de repetição, perdas gestacionais de repetição; história de pré-eclâmpsia e restrição de crescimento precoce; ou para aquelas pacientes que têm uma história familiar positiva  de trombose, de AVC, infarto, ou até de morte súbita.
Só como informação, quando falamos em histórico familiar, nos referimos aos parentes de primeiro grau que seriam pai, mãe, avós e irmãos.
Outros fatores que também podem tornar mais grave o risco de trombose são:
  1. Tabagismo
  2. Obesidade
  3. Idade materna avançada no momento da gravidez
  4. Gestação de gêmeos
  5. Sedentarismo
Então, as pessoas que têm esses fatores de risco ou histórico familiar que devem estar alertas para possibilidade de trombofilia.
 
Se esse é o seu caso, ter um acompanhamento especial na gestação é fundamental. Procure por clínicas e obstetras com experiência nesse assunto para que você tenha o tratamento adequado e sua gestação tenha mais chance de ser bem sucedida! 
 
Gostou dessas informações? Que tal permanecer conosco e ler um pouco mais? Temos outros posts bem interessantes sobre assuntos que são dúvidas comuns no nosso blog.
 

Além de continuar aqui nos acompanhando, se inscreva em nossa newsletter e receba nossas novidades diretamente no seu e-mail. Além disso, compartilhamos conteúdos e informações super úteis nas nossas redes sociais. Você já nos segue por lá?

Acesse agora nosso Instagram e o nosso Facebook e curta nossas páginas.

Dra. Clara Antunes

Além de ginecologista, obstetra, ultrassonografista, também é Fetóloga, estando habilitada a fazer procedimentos diagnósticos no ambiente fetal, guiados por métodos de imagem.

Compartilhar é se importar!

Compartilhe este conteúdo com quem você acredita que ele pode ser útil. 

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Gostou desse conteúdo?

Aqui separamos um outro post que talvez seja interessante para você.

Quer receber diretamente no seu email? Cadastre-se abaixo na nossa newsletter!

Clinica Nattus

Rua Engenheiro Enaldo Cravo Peixoto, Nº 105 – Sl. 613 / Tijuca – Rio de Janeiro

Siga-nos nas Redes Sociais:

Desenvolvido por: GLUE DESIGN STUDIO